livros, pseudojornalismo

O Saramago que Eu (Não) Conheci

Antônio Abujamra, célebre dramaturgo, ator e apresentador do programa “Provocações” (quem ainda não viu esse programa, corra para o youtube ou confira as sextas-feiras 22h10 na TV Cultura), costuma questionar seus entrevistados sobre o autor que eles ainda não descobriram. Se a pergunta fosse dirigida a mim (nunca será, mas enfim, para fins hipotéticos), talvez eu respondesse “José Saramago”. Que vergonha né? Não conhecer um dos grandes autores desse século, vencedor de prêmio Nobel e o escambau, não é? Admito, o máximo que consegui me aproximar da sua obra foi pelos olhos de outro cara, um sujeito brasileiro chamado Fernando Meirelles, diretor de Ensaio sobre a Cegueira. Talvez a escolha de Saramago tenha sido influenciada pela trágica notícia de hoje, da morte do escritor português de 87 anos. Não adianta negar, certos nomes só receberão o destaque necessário após suas mortes. Felizmente não é bem o caso de José Saramago, já que ele recebeu o prêmio Nobel ainda em vida. O filme do Meirelles ajudou na divulgação e acredito que muita gente passou a conhecer a obra do autor, depois de assisti-lo. Not me. Eu tive que esperar a morte, para me atentar para essa grande lacuna literária na minha vida, de não conhecer o autor de “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, “A viagem do elefante” e do recente “Caim”.

Esse texto não pretende relatar fatos históricos da vida do escritor (para isso, existem os portais de notícia mundo afora), apenas discorrer um pouco sobre minha total ignorância pela obra desse homem que morrera, segundo familiares, no conforto de seu lar “despedindo-se de uma forma serena e tranqüila”. Também deixo registrado de modo que isso desperte ainda mais minha curiosidade e interesse por seus livros. Me recordo agora de um trecho de algum documentário em que Saramago, ao receber o prêmio Nobel, discursa sobre tema políticos, enfatizando o fato de sermos dominados e manipulados por grandes corporações e que a democracia de hoje se resume entre escolher o boneco da esquerda ou da direita. Apenas por essa atitude, em pleno discurso na maior premiação literária do mundo, já é o suficiente para eu nutrir uma admiração por esse homem. Nem imagino o que vai acontecer depois que eu ler seus livros.

* Seguem abaixo dois vídeos, o primeiro com uma parte do seu discurso político e o segundo, que encontrei por acaso e também achei pertinente divulgar, sobre a religiosidade de Saramago:

Anúncios

8 comentários sobre “O Saramago que Eu (Não) Conheci

  1. Francamente, eu nao lamento tanto esse tipo de perda. Houve um tempo que eu queria muito ler “Ensaio sobre a cegueira”, mas depois veio o filme… Que as minhocas possam tirar bom proveito dele, porque para alguém com esse esse tipo de racionalismo exacerbado, é só o que resta mesmo no fim. E você me perguntou em um outro momento sobre falsos mestres? Voilà um exemplo, onde focas amestradas iainda o aplaudem como se o que Saramago disse sobre democracia fosse a descoberta mais cool do século. Só sendo muito alienado para nao saber que a democracia é tao falaciosa quanto o comunismo. Claro que quem vê criticamente a realidade age de alguma maneira através de suas idéias, mas e quanto àqueles que somente escutam? Até Sócrates foi mais humilde que Saramago antes de morrer.

  2. P.S.: Nao sinta vergonha por jamais ter lido um livro de Saramago. Existem coisas bem piores na vida do que isso do que podemos nos envergonhar.

  3. Sendo racionalista como ele ou não, no fim, as minhocas vão te comer de qualquer forma. É verdade, a descoberta dele sobre a democracia não é nada excepcional mesmo, mas ele foi o único que declarou seu ponto de vista para milhões de pessoas, e nesse caso, muita gente nem tinha parado pra pensar nisso antes. Gosto de pessoas com opiniões fortes e sem vergonha de expressa-las, mesmo que alguns possam ver isso como uma atitude pouco humilde.

    1. Acho que você nao entendeu o que quis dizer com humildade: eu disse que até Socrátes foi mais humilde do que Saramago em relaçao à morte.

  4. P.S. : O que você quis dizer com pessoas com opinioes fortes? De repente, o mundo virou uma ditadura ou quê? Desculpe,mas quem admira gente assim quem tende a ser exatamente com as focas amestradas que mencionei acima – cada vez mais medíocre, nao pensa mais, apenas reproduz uma “opiniao forte” porque talvez a tenha achado, além de forte, cool ou hype.

  5. As opiniões estão aí para serem contestadas, o problema é que no mundo de hoje é difícil encontrar elas por aí. Todo mundo é muito preocupado em não desagradar ninguém: a igreja, o povo,… e assim, fica todo mundo encima do muro, com medo de magoar alguém. Saramago não sofria desse mal, e por isso que o admiro. É obvio que se ele fosse contra o homosexualismo ou imigração eu não ouviria ele 😉

    1. Por outro lado, é muito cômodo ser midiaticamente crítico hoje em dia em uma posiçao como de Saramago. Quantos nao se aproveitam da própria celebridade para “destilar veneno”. E problema, se é que isso poderia ser visto como um problema, é que consciente ou inconscientemente isso continuará a alimentar o ciclo das focas amestradas acéfalas dde hoje em dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s