contos, idéias

Crônicas de Nácar #09: Cálices e a Santa Paciência

pace_comandoemacao

O cálice de Chico e Milton explanado por Gil me faz lembrar do “cale-se” mental que ressoa mais uma vez na cabeça crescente e incandescente, borbulhando ideias persecutórias no vilarejo das mentiras convenientes. Essa história envolvendo o tio Jordi e seus parceiros do bom senso havia chacoalhado cantos obscuros carentes de sentido, e são nesses momentos e becos que sabemos onde precisamos estar, fortalecendo conexões sinceras de um passado recente, com gente massa que merece respeito, gente que sabe o que faz, gente sem a necessidade de gritar para o infinito horizonte todas as injustiças da humanidade, gente que entende que o verdadeiro papel do artista da vida é simplesmente continuar sendo e coexistindo em todos os espaços possíveis. Deixe a resistência para os indecisos, artistas não resistem, apenas vão continuar fazendo aquilo que sempre fizeram: arte em sua essência, seja no sax enferrujado do velho mestre e que ecoa nos prédios históricos de uma São Francisco cada vez mais decadente, ou no groove do baixo pulsando e se entrelaçando harmoniosamente com cada batida dos corações partidos de uma plateia de rua sedenta por cultura. A música seguirá guiando espíritos livres nas baladas solitárias de um mundo à beira do colapso, mais que necessário. As barreiras estão mais nítidas do que nunca. A paciência chegou em seu nível master, enquanto o grande mistério permanece lindo e tão puro quanto o brilho nos olhos dos velhos jovens. El amor despues del amor citado triplamente nesse espaço imaginário onde a liberdade plana sobre as nuvens cibernéticas, por entre fumaças coloridas, sinais eternos e limites invisíveis, esse amor precisa chegar no outro, ainda que esse outro esteja armado até os dentes e com músculos de algum personagem do quadrinho aventureiro de sua arrastada adolescência.  

Poderia berrar para os pais do vento algumas das atrocidades frequentes por essas bandas, bandas corrompidas por valores irreais, bandas e lugarzinhos tão pequeninos e mesquinhos, ocupados por seres opacos com cabeças cheias de vácuo. Caetano sabe que “o mundo é um fluxo sem leito e é só no oco do seu peito que corre um rio”. Policiais, médicos e advogados: vocês receberão os primeiros raios luminosos mais poderosos do universo, raios que romperão cada célula de seus corpos robóticos e que já não respondem por si há séculos. O poder e a ilusão do dinheiro comeram suas essências amargas, talvez em algum momento oportuno de suas escolas inventadas e com princípios maldosos. Chegou a hora desses raios penetrarem seus suados poros e fazerem vocês lembrarem da existência de algo que costumamos chamar de consciência. A consciência que fará vocês entenderem de uma vez por todas o real significado de suas supostas profissões, algo que clareie as relações interpessoais e faça vocês perceberem que do outro lado haverá outro ser humano, que precisa ser respeitado e compreendido. Deixe a arrogância no baú da ganância e que começará a ser enterrado assim que esses raios se aproximarem. Políticos, vocês também estão nesse bolo fecal construído por falsos pilares e ícones desprovidos de valores básicos, tão básicos como a terra que vocês um dia pisaram, pra depois cementarem e estragarem as esperanças de povos inteiros, cansados de serem humilhados e tratados como o lixo que vocês também esqueceram de reciclar. O admirável Novo subiu em suas cabeças e seus discursos bonitinhos estão tão desbotados como suas almas ou o brilho de seus olhos.

Sim, estamos nesse pálido planetinha inundado por belezas mil, populado por oito milhões de espécies não-especistas, espécies de todos os tamanhos e cores, espécies que valem infinitamente mais do que o seu prato de comida, seus diplomas ou seus contatos profissionais. Nesse mesmo espaço habitam seres obscuros enfeitiçados por antigos mitos e ritos, as velhas verdinhas e o eterno medo de diminuir o padrão econômico construído pela família ou seja lá o que for. Sim, estamos em um universo lindo e maravilhoso, mas com advogados que pedem instrumentos musicais em troca de serviços, médicos que preferem deixar mães nos hospitais em pleno dia das mães para assim receberem mais plata do plano de saúde, policiais que agridem, prendem e roubam equipamentos dos artistas de rua e depois ignoram assaltos covardes no largo da ordem higienizada pelos mesmos políticos que mandam bater em professores mal pagos. A lista de injustiças cresce exponencialmente, em especial em países onde as diferenças sociais berram. E serão nas republiquetas sem história que a ignorância será evidenciada, afinal são nessas “crises” permeadas por terrorismos midiáticos que a população sem reflexão clama por mais violência e pelo “mito” salvador que irá limpar o “crime” e a “indecência”, utilizando seus aprendizados oitentistas dos G.I. Joe´s ou “Comando em Ação”. Enquanto isso, esse sonhador de acá, continuará clamando pela intervenção alienígena que nos livrará do mal maior.

A esperança, o amor e essa utopia da liberdade precisam persistir, encontrando lugar no âmago da alma encardida e na terra das redundâncias permitidas, e nem que pra isso precisem passar por caminhos tão tortuosos, malucos e sem respostas fáceis. Hay que sentir, deixar as vibrações provocarem os saltos quânticos das bolhas mágicas e que farão você: policial, advogado, médico, político ou blablablá, sair dessa falsa zona confortável que você criou para si mesmo. E que a consciência de suas ações ressoe nos minutos antecedentes dos vossos sonhos, embalados pelo refrão country do velho Allen: “você precisa abrir a sua vida para algumas coisas melhores, você precisa abrir sua alma como uma porta, deixe o seu coração ir para onde precisa ir”. Isso sim, é vida real. Para os outros, temos o natal, a coca-cola e o sexo convencional.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s