contos, idéias

Crônicas de Nácar #09: Cálices e a Santa Paciência

pace_comandoemacao

O cálice de Chico e Milton explanado por Gil me faz lembrar do “cale-se” mental que ressoa mais uma vez na cabeça crescente e incandescente, borbulhando ideias persecutórias no vilarejo das mentiras convenientes. Essa história envolvendo o tio Jordi e seus parceiros do bom senso havia chacoalhado cantos obscuros carentes de sentido, e são nesses momentos e becos que sabemos onde precisamos estar, fortalecendo conexões sinceras de um passado recente, com gente massa que merece respeito, gente que sabe o que faz, gente sem a necessidade de gritar para o infinito horizonte todas as injustiças da humanidade, gente que entende que o verdadeiro papel do artista da vida é simplesmente continuar sendo e coexistindo em todos os espaços possíveis. Deixe a resistência para os indecisos, artistas não resistem, apenas vão continuar fazendo aquilo que sempre fizeram: arte em sua essência, seja no sax enferrujado do velho mestre e que ecoa nos prédios históricos de uma São Francisco cada vez mais decadente, ou no groove do baixo pulsando e se entrelaçando harmoniosamente com cada batida dos corações partidos de uma plateia de rua sedenta por cultura. A música seguirá guiando espíritos livres nas baladas solitárias de um mundo à beira do colapso, mais que necessário. As barreiras estão mais nítidas do que nunca. A paciência chegou em seu nível master, enquanto o grande mistério permanece lindo e tão puro quanto o brilho nos olhos dos velhos jovens. El amor despues del amor citado triplamente nesse espaço imaginário onde a liberdade plana sobre as nuvens cibernéticas, por entre fumaças coloridas, sinais eternos e limites invisíveis, esse amor precisa chegar no outro, ainda que esse outro esteja armado até os dentes e com músculos de algum personagem do quadrinho aventureiro de sua arrastada adolescência.  

Poderia berrar para os pais do vento algumas das atrocidades frequentes por essas bandas, bandas corrompidas por valores irreais, bandas e lugarzinhos tão pequeninos e mesquinhos, ocupados por seres opacos com cabeças cheias de vácuo. Caetano sabe que “o mundo é um fluxo sem leito e é só no oco do seu peito que corre um rio”. Policiais, médicos e advogados: vocês receberão os primeiros raios luminosos mais poderosos do universo, raios que romperão cada célula de seus corpos robóticos e que já não respondem por si há séculos. O poder e a ilusão do dinheiro comeram suas essências amargas, talvez em algum momento oportuno de suas escolas inventadas e com princípios maldosos. Chegou a hora desses raios penetrarem seus suados poros e fazerem vocês lembrarem da existência de algo que costumamos chamar de consciência. A consciência que fará vocês entenderem de uma vez por todas o real significado de suas supostas profissões, algo que clareie as relações interpessoais e faça vocês perceberem que do outro lado haverá outro ser humano, que precisa ser respeitado e compreendido. Deixe a arrogância no baú da ganância e que começará a ser enterrado assim que esses raios se aproximarem. Políticos, vocês também estão nesse bolo fecal construído por falsos pilares e ícones desprovidos de valores básicos, tão básicos como a terra que vocês um dia pisaram, pra depois cementarem e estragarem as esperanças de povos inteiros, cansados de serem humilhados e tratados como o lixo que vocês também esqueceram de reciclar. O admirável Novo subiu em suas cabeças e seus discursos bonitinhos estão tão desbotados como suas almas ou o brilho de seus olhos.

Sim, estamos nesse pálido planetinha inundado por belezas mil, populado por oito milhões de espécies não-especistas, espécies de todos os tamanhos e cores, espécies que valem infinitamente mais do que o seu prato de comida, seus diplomas ou seus contatos profissionais. Nesse mesmo espaço habitam seres obscuros enfeitiçados por antigos mitos e ritos, as velhas verdinhas e o eterno medo de diminuir o padrão econômico construído pela família ou seja lá o que for. Sim, estamos em um universo lindo e maravilhoso, mas com advogados que pedem instrumentos musicais em troca de serviços, médicos que preferem deixar mães nos hospitais em pleno dia das mães para assim receberem mais plata do plano de saúde, policiais que agridem, prendem e roubam equipamentos dos artistas de rua e depois ignoram assaltos covardes no largo da ordem higienizada pelos mesmos políticos que mandam bater em professores mal pagos. A lista de injustiças cresce exponencialmente, em especial em países onde as diferenças sociais berram. E serão nas republiquetas sem história que a ignorância será evidenciada, afinal são nessas “crises” permeadas por terrorismos midiáticos que a população sem reflexão clama por mais violência e pelo “mito” salvador que irá limpar o “crime” e a “indecência”, utilizando seus aprendizados oitentistas dos G.I. Joe´s ou “Comando em Ação”. Enquanto isso, esse sonhador de acá, continuará clamando pela intervenção alienígena que nos livrará do mal maior.

A esperança, o amor e essa utopia da liberdade precisam persistir, encontrando lugar no âmago da alma encardida e na terra das redundâncias permitidas, e nem que pra isso precisem passar por caminhos tão tortuosos, malucos e sem respostas fáceis. Hay que sentir, deixar as vibrações provocarem os saltos quânticos das bolhas mágicas e que farão você: policial, advogado, médico, político ou blablablá, sair dessa falsa zona confortável que você criou para si mesmo. E que a consciência de suas ações ressoe nos minutos antecedentes dos vossos sonhos, embalados pelo refrão country do velho Allen: “você precisa abrir a sua vida para algumas coisas melhores, você precisa abrir sua alma como uma porta, deixe o seu coração ir para onde precisa ir”. Isso sim, é vida real. Para os outros, temos o natal, a coca-cola e o sexo convencional.

 

Anúncios
idéias, pseudojornalismo, TV, Uncategorized

Data Limite?

pace_xavier

Notícias aterradoras assistidas na máquina vermelha maior do mundo me deixaram perplexo. 2019 seria a “data limite“ divulgada por um documentário de mesmo nome e também sobre outras previsões de Chico Xavier. E como não acreditar em um cara que disse já em 1971 que no futuro encontraríamos água na Lua, petróleo no oceano do Brasil e os órgãos transplantados seriam de plástico – novas descobertas nessa história recente maluca que não pára de se desenrolar em escala exponencial, e que é tão rápida que nem mesmo conseguimos acompanhá-la. Esse lance do primeiro coração de plástico transplantado eu mesmo nem fazia ideia. Chico, diferente das mães Dinás interessadas em fama e dinheiro, foi um homem de poucos recursos que doou praticamente tudo que ganhou e não parecia interessado em aparecer. E quando o fazia, em um popular programa de TV brasileiro, era por motivos extremamente relevantes.

Segundo suas próprias palavras, no dia em que o homem foi à lua, em julho de 1969, teria rolado uma reunião intergaláctica com outros seres do espaço. Esses seres estranhos estariam preocupados com a destruição da Terra e principalmente com o mal uso da energia nuclear. Uma energia que move o universo, mas que o Homem estaria utilizando para a criação de armas de destruição em massa e explosões de proporções catastróficas, não apenas para nosso planeta. De acordo com Chico Xavier, Cristo apareceu nesse encontro e advogou em favor da Terra, pedindo para esses seres esperarem um pouco mais antes de intervirem. Depois de muito debate, foi definido um prazo de 50 anos, ou seja, 2019.

Haveria dois cenários possíveis: no primeiro, seguiríamos explodindo bombas e a própria Terra, cansada da exploração humana, começaria a se autodestruir na forma de terremotos, enchentes, tsnunamis e qualquer outra catástrofe natural que você consiga imaginar. No segundo, finalmente os humanos entrariam numa nova era de paz e de grandes revoluções tecnológicas, graças ao intercâmbio entre os extraterrestres e a gente. Contatos oficiais seriam feitos e pelo jeito, já estaríamos nos preparando pra isso.

Note como isso parece fazer algum sentido – há poucos anos atrás uma série de governos estava divulgando informações sobre OVNIS, incluindo o Brasil, que liberou 100 páginas das 300 que tinha sobre o assunto. Segundo o doc, reuniões entre líderes governamentais estariam sendo feitas para decidir, por exemplo, quem seria o porta-voz oficial da humanidade, tudo escondidinho pra não dar bandeira. A NASA confirmou a possibilidade de vida fora da Terra, afirmando que até 2020 eles conseguiriam provar.

Poderia seguir citando outros pontos a respeito, mas claro que o ideal será assistir o vídeo completo no Youtube (https://www.youtube.com/watch?v=4JxukHvGVzE) e tirar suas próprias conclusões, ainda que essa história possa soar maluca demais para sua cabeça. Jesus, ETs e Espiritismo, tudo conectado, como assim?

Seja como for, é fato que estamos vivendo um momento único em nossa história, onde descobertas científicas e tecnológicas acontecem todos os dias. Enquanto politicamente parecemos estar em algum roteiro rocambolesco das dimensões de um Trump ou Putin, afinal, quem devemos Temer? Por enquanto a resposta aponta para um único culpado – nós mesmos.

contos, Uncategorized

Fervendo nas Letras

saothomeNo ônibus, o ar condensado constrói um elo energético entre os passageiros. Um bafo quente que serve de escudo para a madrugada fria ou qualquer fenômeno climático típico das estradas da vida. Era o retorno de mais uma viagem para o santo das letras: reduto de hippies, hipongas, hipsters, geólogos, historiadores, e uma porção de curiosos. Desta vez, o capitão responsável pela missão “fervística” recebia a alcunha de “guerreiro”. Em sua bagagem, milhares de quilômetros e de histórias interestaduais transportando malucos “com tudo” para picos estranhos onde a fervura não pára. E não poderia deixar de citar nessa breve introdução, os “truquezinhos” do nosso nobre comandante, verdadeiros coringas para a monotonia e o baixo astral. Mas também não perderei tempo tentando explicá-los, uma vez que só estando ao seu lado para compreender a grandeza poética presente nessa sábia palavra, ou gíria inventada.

Não sei exatamente se foi o calor provocado pelas janelas fechadas, as inspirações esfumaçadas vindas do novo parceiro de poltrona, ou talvez algum resquício lisérgico dos últimos dias, mas algo naquele ônibus travestido me fez olhar pra trás, numa ingênua tentativa de entender o que foram aqueles últimos dias, e porquê tudo parecia ter acontecido tão depressa, como um cigarro que se apaga ao vento.

Deve haver algo profundamente místico nesse vilarejo mineiro, talvez o mesmo magnetismo obscuro que faz os carros subirem ladeiras, e que atrai uma infinita variedade de doidões para um pedaço de terra feito com pedras brancas só vistas ali. E se a ilusão de ótica é a resposta pronta dos pseudo cientistas para as tais ladeiras, o que dizer das músicas que saem dos rádios de todos os cantos, sempre de qualidade e surpreendendo os ouvidos mais atentos. A pirâmide foi criada por seres extraterrestres e isso a gente não discute mais.

As chacoalhadas do busão seguem conectando neurônios adormecidos e trazendo lembranças de mais um feriado prolongado de um sete de setembro atípico, sem chuvas e com um sol vermelho de arrepiar. Na praça central, ao lado da gruta engraçada, havia um café. Ali conheci Joseph, um músico inglês que estava morando há 9 meses naquele lugar. Stones, Beatles, Cat Stevens, Neil Young e Tom Waits eram algumas das pérolas tocadas por Joseph, além das suas canções próprias. Mas foi no intervalo, entre cigarros, que descobri sua real vocação. Joseph era capaz de conversar com seu eu do passado ou seu eu do futuro, e era assim que ele compunha suas músicas. “O tempo não é linear como nos contam”, dizia ele. E ainda no mesmo recinto, Aninha ainda me apresentou para sua mais nova paixão – um senhor de 71 anos chamado Estélio e que havia feito parte do saudoso “partidão”. Hoje o senhor com aparência amigável semelhante ao Jorge Amado, seguia sua militância esquerdista, em seu carro adesivado cheio de santinhos vermelhos. “Temos muito o que Temer”, provavelmente teria dito ele, sob a sombra de uma ditadura que o perseguira tempos atrás e que agora parece ter virado novamente o assunto das mesas de bar.

São Thomé é das letras, das pedras, dos cogumelos, dos et’s, dos cachorros de rua e dos hippies de espírito livre. Durante quase uma semana, São Thomé também foi o cenário paradisíaco para uma trupe curitibana que incluía um argentino louco, um bebê e uma garota com uma suposta caxumba. Jovens de todas as idades em busca de fervo intenso, com direito a truquezinhos e muitas risadas no caminho.

contos

Domingo de Chuva

chuvaDomingo de chuva, de uma chuva aclamada e pré-anunciada nos rodapés dos jornais, uma chuva esperada pelos fazendeiros e não desejada pelos feirantes e demais vendedores ambulantes, uma chuva típica da montanha e que não adianta ter medo dela, pois “a chuva voltando pra terra traz coisas do ar”. Ainda bem, pois era justamente disso que eu estava precisando.

Curitiba testemunhou o recorde histórico: mais de 90 dias de sol, céu azul e um clima árido típico da capital de um país em declínio e que o baterista argentino tem dificuldade de entender. “Vi domingo passado aquele protesto contra o governo, mas só vi gente de relógio caro, tênis de marca e camisa oficial da seleção brasileira… do que eles estão reclamando mesmo?”.  Meu amigo Mariano, dessa vez vou calar a boca e não serei aquele que te dirá que “a vida é séria e a guerra é dura”, pois quando penso assim, tudo fica tão chato e cinza como os papos dos granfinos ou os discursos pseudo politizados de gente que ainda não entende que as opiniões são como aqueles dados cheios de lados dos tabuleiros imaginários de RPG e que nunca fizeram minha cabeça chata de nordestino, assim como escutava na adolescência.

Na vitrola da sala, João canta sobre o nada e sobre Deus ser um “conceito pelo qual nós medimos nossa dor”, enquanto escuto aquele som neoclássico do aplicativo do momento, algo a ver com aquelas propagandas ridículas das operadoras de celular sobre mensagens ilimitadas, mensagens em que não consigo ver nenhuma vantagem, não nesse domingo de chuva, não nesse momento em que estou cansado, com dores nas costas e com um catarro verde escuro no pulmão e me sentindo grosseiro e estúpido com aqueles que ainda sentem alguma coisa boa por mim.

Será que um dia a gente vai entender que toda essa tecnologia é inútil na tarefa de suprir sentimentos básicos de solidão, carência e insegurança e que cabe a gente lidar com essas merdas sozinho, e não querer jogar isso pro outro ou, ainda pior, tentando se comunicar por um aparelho que foi feito com uma boa intenção, mas que como tudo que o homem ocidental tocou desde sempre, foi transformado em lixo, em guerra, em destruição e em uma má perdição. Sim, por que se perder é bom demais, mas só quando a gente tem essa consciência e sente que não está sendo guiado por um ego maior e ainda mais pervertido.

Estou blue como o disco da Joni Mitchell que agora toca na sala, blue como o piano natalino daquela canção sobre a possibilidade de existir um rio congelado em  que a gente pudesse patinar pra bem longe. E falando em pianos e em tristezas, lembro daquele que está bem atrás de mim, e que já foi responsável por momentos lindos, de alegria, com a minha mãe tocando Fascinação e fazendo a amiga vizinha e que agora corrige meus textos, sentir a felicidade no ar, e logo me lembro de também me sentir bem ao escutar seu filho Pedro ouvindo Ramones no talo quando eu ainda era um moleque mimado e confinado a um condomínio fechado, desses que meu pai tem medo de retornar a morar e, é claro que eu entendo suas razões. Só não entendo por que esse piano que está atrás de mim precisa custar tão caro para voltar a soar afinado,… Malditas cravelhas!

Também não entendo por que a gente segue se apaixonando e acreditando nas pessoas e até na gente mesmo, pra depois vir essa onda blue e eu precisar de um amigo advogado para me lembrar que as pessoas são, no fundo, totalmente egoístas e que essa história de corrente do bem ou das pessoas “do bem” não passa de um marketing pra vender suco natural; ou ainda algum discurso aliciano da classe média alta que nunca viajou tanto pro exterior, mas que agora precisa economizar para pagar direitos trabalhistas e impostos para um governo comunista que insiste em patrocinar a ditadura cubana e roubar os cofres públicos sem sobreavisos ou julgamentos posteriores.

Dr. Gonzo, meu amigo advogado que agora passou a me seguir por aí e me lembrar do lado demoníaco que existe em cada ser, Dr. Gonzo, você sim, será cada vez mais necessário. Já precisei de remédios controlados, de drogas ilegais, rituais orientais e até de iridologia para saber quem eu sou, mas agora, nesse domingo de chuva e nos outros tantos que estão por vir, nesse momento blue e down, sinto que precisarei sim de uma avalanche de papéis, assinaturas, cláusulas, processos, contratos e carimbos de todas as cores, frios ou preferivelmente quentes; ainda que eu continue anarquista ao ponto de odiar todas as formas de burocracia e legislação criadas por esses humanoides, que seguem existindo dentro de mim, para tentar organizar uma massa que não consegue usar o bom senso e o coração nem para sair de casa ou tomar um café, e que segue querendo cada vez mais, sem perceber que o barato da vida não está na “inútil luta contra os galhos”, mas sim no tronco, é lá e somente lá que “está o coringa do baralho”.

Dr. Gonzo, por favor, me ajude a cuidar desses galhos, e obrigado mais uma vez ao baiano que me ensinou a perder o medo da chuva e à outra baiana, a maior de todas, que me fez ter a cabeça chata, chata o suficiente para seguir sonhando e compreendendo que há muito mais para sentir e aprender, ainda que as decepções só cessem por completo quando eu, você e todas as pessoas desse planeta… Sumirem.

idéias, pseudojornalismo

Circo e Esperança no País Essencialmente Colorido

brasil_intervencao

E de repente, como em uma erupção vulcânica de proporções gigantescas, a triste realidade do país se apresentou na frente de meus olhos. Sexta, protesto partidário a favor do governo e da Petrobrás. Domingo, protesto “apartidário” contra o governo e a favor do impeachment da presidenta. Confesso que foi difícil percorrer o caminho até a casa da minha mãe com tantos carros desrespeitando as leis de trânsito e apertando aquelas malditas buzinas como se o Brasil tivesse sido campeão do mundo e não aquele fiasco da Copa passada. Detesto buzinas, mas pior que isso é ver o povo se comportar como bonecos acéfalos em nome de uma suposta “pátria”, a favor de uma suposta “família brasileira” ou ainda a favor de uma porra de impeachment criado pelo pai do cara que foi armado em uma das patéticas manifestações pós-eleições. Lobão, você já foi legal e contrariamente ao Caetano, você não tem mais razão.

O país está dividido e isso não vem de hoje, mas como Tom Zé e Tim Bernardes cantaram por aí “a diferença entre esquerda e direita já foi muito clara, hoje não é mais”. Sim, existem infinitas nuances, mas esse tipo de reflexão você não verá no canal de TV que costuma assistir, ou na revista semanal que você insiste em assinar. Sim, existem os Felicianos e os Bolsonaros, os loucos reacionários tentando conseguir alguma medida inconstitucional para tirar a Dilma e essa “corja de ladrões chamada PT”. Sim, existe uma parte da elite acostumada com as regalias de um Brasil colonial, acostumada a ter empregadas domésticas sem os mínimos direitos trabalhistas, enfim, uma elite podre que ainda reclama dos aeroportos e dos supermercados lotados. Sim, também existe outra “elite”, de gente que acorda às 6 da manhã para trabalhar e só vai pra cama depois de colocar os filhos para dormir, uma elite belamente descrita por um jornalista da Gazeta do Povo e que não suporta corrupção e todos esses escândalos que rolam por aí. Sim, há ainda aqueles “comunistas de vermelho” que continuam apoiando o governo, promovendo passeatas pró Petrobrás e lendo jornais clandestinos sobre a influência e as pressões do governo americano para controlar o Brasil de alguma maneira ou de outra.

Ficaria extremamente preocupado se nosso Brasil fosse apenas isso, esse preto no branco que tentam empurrar pra gente, mas não, esperem, nem tudo está perdido. Falo de um grupo ainda modesto que parece conquistar simpatizantes pelos quatro cantos. Mas talvez para explicar melhor o que é isso, primeiro precisaria tirar o termo “grupo”, até por que essas pessoas às quais me refiro não se veem representadas em nenhum desses grupos, sejam eles vermelhos, azuis e amarelos ou roxos com bolinhas alaranjadas.

Calma, muita calma nessa hora. Afinal não era meio isso que vivenciamos no ano retrasado durante os protestos? Gente que chegava a brigar com aqueles que estivessem carregando alguma bandeira partidária e acabavam introduzindo um discurso ainda mais fascista e perigoso.

Esses indivíduos, alguns amigos meus, certamente passam longe de qualquer conceito que fuja da democracia ou dos direitos de liberdade individual de qualquer cidadão. Também sabem que um “impeachment”, por mais circense que isso possa parecer, não resolverá nada. Querem sim uma reforma política capaz de mudar o sistema vigente; querem que as investigações policiais prossigam e que os envolvidos em casos de corrupção sejam punidos, sejam eles do PT, do PSDB, do PMDB ou de qualquer outra sigla; querem um país melhor e sabem que uma alternância de poder não significa uma mudança, e seguem esperançosos em um caminho novo e independente, construído pelas próprias pessoas e sem os atrasos burocráticos ou os velhos rótulos reducionistas que segregam, mas não convencem.

Essa gente parece lutar contra a ignorância alheia e mais ainda, contra a própria ignorância. Admitem não terem informações suficientes para saberem quem é o mocinho ou o bandido da história. Preferem não serem manipulados por veículos midiáticos com interesses comerciais. Preferem se concentrar nas boas ações do dia-a-dia, focando em problemas reais da sua comunidade, ao invés de saírem pras ruas papagaiando gritos “de ordem”, vestidos com camisetas da CBF e desrespeitando leis de trânsito. Não são coxinhas, nem empadas, nem petralhas, nem elitistas, nem fundamentalistas, nem titica de nada. São apenas seres humanos que por alguma casualidade nasceram no Brasil e que por alguma razão genética nasceram de uma determinada cor, mas sabem que isso não faz deles melhores ou piores, só diferentes.

Enfim, toda essa conversa arrastada vai para esses seres, diferentes, que não concordam com 90 % do que está acontecendo por aí, seja de um lado ou de outro. Seres que acreditam em uma revolução individual, com panelas na cabeça e não como instrumento de manobra política. Seres que tampouco acreditam em heróis fabricados por partidos de esquerda e talvez prefiram encontrar esses personagens na rua, cantando letras de amor e liberdade, e nos lembrando que a autossuficiência é uma estrada longa, mas verdadeira.

contos, pseudojornalismo

Lambalada na Terra dos Gringos

felipe

“Lambalada” em plena segunda-feira de janeiro, no clube dos operários e forrozeiros, na cidade dos fantasmas. Que rapaz atrevido, esse tal de Felipe Cordeiro. Curitibanos dançando lambada e carimbó? Você ficou louco? Segundas são dias de reclusão, dias pra não sair do quarto e se arrepender dos excessos do fim de semana. Dias pra lembrar que precisamos trabalhar, pagar nossas contas e manter a roda do conformismo girando em velocidade constante rumo ao sonho da casa própria, dos filhos mimados, do emprego estável e do casamento conveniente.

Felipe tinha outros planos. Felipe vinha do Pará, de um Brasil ainda possível, cheio de alegria e de um tipo raro de malemolência, contagiante, libertadora e extremamente necessária para seres oriundos do sul, seres estranhos que até num calor que beira os 40 graus, continuam frios e chatos em conversas sobre o tempo ou sobre as notícias da semana.

Felipe veio para cumprir a função social daquele rapaz vindo do norte que vem para o sul para nos lembrar o que é Brasil, o que é Carimbó, Lambada, Tecnobrega e não sei mais o quê. O povo daqui é rock’n’roll e quer continuar mirando para continentes distantes e gelados, e talvez os mais alternativos sejam aqueles que vão pra Europa fazer mochilões de um mês, com o dinheiro economizado no ano ou ainda, com a grana dos pais.

De qualquer maneira esse texto não será para achincalhar a cultura local ou talvez a falta dela, mas sim para exaltar os encantos da música popular de Felipe Cordeiro e sua trupe. Seu pai, um dos mestres da guitarrada também estava lá, balançando corações com seus solos hipnotizantes com ecos de Dick Dale. Dick Dale, o avô da surf music, se tivesse nascido no Pará e em outra época, poderia ter sido batizado pela alcunha de… Felipe Cordeiro. E se Dick Dale tivesse um pai guitarrista, ele seria o pai de Felipe.

É claro que essas minhas comparações vêm de alguém do sul, de alguém que começou a se familiarizar com os sons nortistas há poucos anos, e que seguramente não conhece a história do Carimbó ou da lambada além do Magal, que costumava passar na novela. Talvez existam centenas de Felipes Cordeiros, e caso alguém que esteja lendo essas linhas queira me recomendar outros nomes, ficarei imensamente grato.

A festa ontem começou cedo, perto das 10 da noite, com o Felipe discotecando sons de sua terra sensual para uma plateia ainda tímida e esparsa. Em certos momentos me senti como se estivesse em algum prostíbulo, não pelas garotas vestidas de hippie-retrô-brasileiro ou pela decoração do palco, mas por algumas canções que lembrei ouvir em tais recintos. Achei bacana e pensei, esse rapaz abusado está trazendo os puteiros para os clubes da classe média, e mesmo que essa não seja sua intenção, talvez esse conceito “pós-moderno” e meio antropofágico seja justamente onde está alojada a força da música de Felipe Cordeiro.

E quando o show de fato começou, os fantasmas haviam tomado conta do espaço, que agora era composto não mais por fantasmas da noite curitibana, mas por seres encarnados que não conseguiam mais permanecer em suas mesas e em suas posições de conforto. No palco, o duelo de guitarras estridentes ditava o ritmo, enquanto na pista, casais de todos os gêneros bailavam do jeito que podiam a música que talvez ainda não tivessem compreendido. “Don’t you fear, if you hear, a foreign sound to your ear”, já dizia o velho Dylan, e quem mesmo foi que disse que música é pra ser entendida?

Se a alma não tem cor, a música muito menos. E quem disse que não era possível encontrar o paraíso tropical em plena segunda-feira, na “cidade dos normais”? Quem estava lá pôde testemunhar esse fenômeno responsável por chacoalhar partes ociosas de corpos enferrujados, acostumados com movimentos duros trazidos pelos ingleses, por ondas de rádios caretas e preocupadas em ditar tendências atrasadas.

Felipe percorre caminhos paralelos e talvez sua única preocupação seja mostrar a verdadeira música brasileira que sempre esteve por aí, ainda que parte dela tenha sido relegada a inferninhos ou a bailes propositalmente bregas. Ontem, Pará e Paraná encurtaram suas distâncias, provando que na vila “Footloose”, ainda existe dança. O show não pode parar e que venham outros Felipes Cordeiros para cá.

Quem sabe, um dia, não comecemos a produzir os nossos?

Dicas Musicais, pseudojornalismo

Charme Chulo no Teatro das Pólvoras

charme chulo Divulgação-Arnaldo-Belotto-2-media

Foto: Arnaldo Belotto

Vinícius e Toquinho abriram as portas daquele lugar. A pólvora histórica virou poesia e dali em frente a arte reinou na praça do famoso pintor. Décadas se passaram, poderes e governos ainda mais corruptos foram destituídos, e hoje o Teatro Paiol foi palco de um show de rock estranho: meio caipira, meio jacu, meio curitiboca, meio Smiths, meio ska, meio batidão, meio axé e até meio zumbi.

Depois do hiato presente em noventa por cento das bandas do século 21, os caras renasceram mais feios do que nunca, com sangue de pinhão escorrendo pelos cantos das bocas secas e cheios de rachaduras e cicatrizes oriundas do ofício de se fazer rock no país do samba e da bossa. Voltaram mais fortes, reinventando pela quarta vez a moda caipira de Irati ou sei lá de onde.

Crucificados pelo sistema bruto (nome do último pão), os charmosos fazem parte daquele grupo de bandas talentosas e inventivas (sem perderem o apelo comercial) mas, que por algum motivo desconhecido, permanecem na cena alternativinha da galera da Trajano. O sistema bruto, que parece escolher os queridinhos da vez, continua fazendo suas vítimas e não há muito o que fazer para mudar esse quadro, que a cada ano enferruja ainda mais.

Quem sabe algumas listas de melhores do ano possam reparar esse estrago.

No palco do Paiol, o que vejo é um som de primeira, letras pegajosas recheadas de poesia pós-moderna (seja lá o que isso possa significar), direcionadas para uma plateia heterogênea, louquinha pra sair pulando e seguindo o trenzinho da alegria, turbinada por litros de cachaça da serra e vinhos de mesa.

Impossível não se sensibilizar com a viola sateriana do Leandro ou com a performance do xará: suas nuances vocais, suas palmas ferozes, suas danças zumbis e seu olhar em contato direto com seu peito, cheio de amor pra dar. Piegas é ter medo de falar desses lances.

A cidade grande assusta, com seus “playboys com seus carros na Batel”, seus motéis, seus políticos, seus pastores e suas mentiras. Aos poucos, ela “aniquila sua cabeça”, te “engolindo” e pedindo um “êxodo urbano”, afinal, “às vezes, melhor é morar na fazenda”.

No mato, na praia ou no campo, a vida é mais simples, não existem produtoras, agentes pentelhos ou fãs mal-intencionados. Poderia seguir falando dessas coisas bacanas, mas o pessoal do The Band já fez isso no documentário do Scorcese.

“Hoje o rock anda frouxo demais”, e a consequência maior da gente “escolher viver de sonho” é aquela que você cantou hoje “Sou imortal e não tenho onde cair morto”. Se depender da vaquinha virtual, continuará existindo alguma luz no fim desse túnel construído de sangue e palha, chamado rock nacional.

Só posso pedir a Deus, em tom de jagunço, que abençoe esses meninos brilhantes, pois nem Jesus foi capaz de uma segunda ressurreição.

** clique aqui para baixar o disco duplo dos caras **