arte, contos, idéias

Crônicas de Nácar #05: Tiras, Números e as Velhas Camadas

pace_universoholografico

Choveu mais uma vez em Curitiba. Choveu a chuva que os curitibanos mais otimistas estavam anunciando há anos. Choveu, choveu, choveu canivetes como diria o amigo gralha, choveu palavras e gritos e fardas e lágrimas. Lágrimas de injustiça, lágrimas de tristeza por sentir que estamos mais perto do fim. E antes que eu soe demasiado fatalista, sigo sonhando com a compreensão mútua. Quero falar sobre esse fim que nunca acaba, apenas recomeça, se repete e depois termina como mais um texto prolixo com algumas conexões mais ou menos interessantes e outras tantas que ninguém vai entender. Entender o outro? Como entender o outro sem estar em uma insólita micro nave instalada em seus neurônios? Você nasceu assim, teve uma família que te criou, ou não, teve suas escolinhas, seu trabalho, seu país, seu signo e tantas outras camadas ilusórias desse umbigo e dessa palavra feia chamada ego. Por qualquer motivo você nasceu nessa época e por mais que você pense diferente, que sua alma é francesa dos anos 20 ou maia de 2000 anos atrás, você nasceu assim e jamais outra pessoa vai sentir ou ver as coisas do seu modo. Nem mesmo sua irmã gêmea criada na mesma caixinha. Supor, imaginar ou compreender contextualmente questões ou tretas alheias é outro papo.

Em Nácar, tudo azul para mais uma encontro lunático pós eclipse. Jordi Miami Vice me acompanhou ao mercado, na missão dos gelos e dos vinhos promocionais. Enchemos o carrinho e quando estávamos semi parados na fila do caixa invisível, um senhor com a braguilha aberta e com a expressão típica de urina eminente, nos pede licença. Prontamente engatamos a marcha ré, dando passe livre para o senhor acessar o banheiro que resolveria sua necessidade extrema. Retornamos lentamente para o outro lado da linha que separa os caixas da saída do mercado que não nos ama. Nesse instante, Jordi comenta “se a gente saísse direto sem pagar ninguém iria ver”. Pensei como sempre pensei em ocasiões semelhantes, auxiliado pelos capricórnios unicórnios em busca de mares navegáveis. “Não quero terminar a noite em uma delegacia˜, e em seguida cantarolei Temptation, da espera de Tom, enquanto o cabeludo Jordi concluía a dura tarefa de encontrar a menor fila do pedaço.

Passamos os gelos, os gluglus e os vinhos, que foram diretamente armazenados em uma caixa de papelão, com divisórias próprias para esse fim. Foi quando a garota no caixa parou e disse que precisávamos colocar etiquetas de “OK” em todas as garrafas, causando frustração para Jordi e eu, uma vez que a fila estava longa e as pessoas poderiam perder a paciência. Mais mente, mente, mind, suposições. Perguntamos se a nota fiscal não seria o suficiente, em outra suposta abordagem do segurança. “Preciso consultar minha supervisora”, que curiosamente já estava resolvendo outro enrosco para a colega. Nesse momento percebi: “A máquina da estupidez precisa seguir funcionando e assim, ninguém mais precisa pensar em suas ações, apenas seguir as regras que outros seres menores criaram. Afinal as regras vêm antes do bom senso, né não?”. Percebi também que a indignação do companheiro (só pra continuar provocando os politiks da banda mais fria da cidade, cheios de tiques e pra quebrar minha própria regra de não usar parênteses e agora dos professores que me ensinaram a não esticar muito essas curvas). Ajudei a moça-caixa colocando os adesivos errados nas garrafas corretas – o vinho continua sagrado e não seria ele o responsável por mais uma babaquice inventada por seres humanos ocupados em produzir separações e tristezas como aquelas já citadas, provocadas por esse bolo com fermento demais, receita da família, da cultura e por “La Sociedad”, exatamente como o nome de outra banda rabiscada em algumas das milhares de folhas brancas da cabeça explosiva dos freakie friends.

Aos poucos tudo ficará no seu devido lugar, e eu, o ladrão de versos desconhecidos e populares em outros campos, também regressarei ao começo, ao infinito e silencioso nothing, um lugarzinho bem confortável onde opiniões, regras, preconceitos e mágoas serão pontos opacos há anos-luz de distância, em um planetinha azulzinho, bem triste e injusto, mas com uma beleza infinita, bem como esse Eu maior e maiúsculo que temos dificuldade de sacar em tempos modernos pós junguianos, imbuídos de estímulos e distrações, lindas e horríveis, meras miragens holográficas de Talbot. Reveja o show de Truman and you will know the truth, leia o livro do Tim branco, ou escute o argento Tim ecoar os ensinamentos de seu mestre paulista.

“Não sei o que você anda lendo por aí”, ressoa una vez más o discurso evangélico de outrora e propagado de outras formas por falsos iluminados, extremistas veganos e onívoros, feministas e machistas, azuis e vermelhos, ingleses e alemães, metaleiros e pagodeiros, e todos esses seres que acreditam em algum cambio de consciência com tacos de bets ou beisebol nas mãos e a manipulável ciência-doutrina na outra, e esquecem de perceber que mudar de lado e seguir odiando o oposto é a brincadeira preferida dos adultos. Let the children play ou “deixe as crianças sozinhas”, pois professores como esses nós não precisamos mais, diria “Pink e o Cérebro” na tentativa de dominar o mundo pela maneira mais ilógica do horizonte: el amor después del amor, o amor mais que perfeito, o amor de roma, o amor em páli dos maravilhosos palíndromos reverenciados pelas caudas brancas do parceiro de rua.

E se o objetivo de outro enfadonho cursinho pré-qualquer-coisa que nunca fiz (graças a papai e mamãe por me poupar dessa também), ou quem sabe com todas essas regras eu conseguisse ser melhor compreendido, ainda que a sina de qualquer artista seja a escuridão e assim, se sentir um rei do rock ou do mambo, mais especialzinho e menos retardado, porém eternamente triste por estar só.

Finalize essa história de uma vez, seu garoto mimado! Tentarei antes que a bateria da maçã mordida se esvaia, e outra tentação reinicie outro conto sobre malandros fakes ou verdadeiros. “Fumamos muita coisa por aí e até ficamos todos reunidos em uma pessoa só” e assim, me tornei uma geleia de amendoim com açaí, em estilo buffet-brasil, misturando elementos demais e deixando todos confusos, os mamelucos e os cafuzos também e até os seis policiais que tocaram a campainha da casa recicladora de sonhos e fritadeira de mentes inquietas e humores swingados. E os outros cops que acabaram com os gritos de Fora T em plena praça pública, e mais aqueles que invadiram o barraco do mano da quebrada, empurraram sua namorada e depois o algemaram e o enfiaram em mais um camburão do governador playboy e que quase joguei uns amendoins nele quando o encontrei no aeroporto, meses após as bombas nos professores. Homens da lei na cidade do medo e no país dos bananas.

O “Escambau” que agora toca na vitrola mole do espelho preto me faz lembrar dos escambaus recorrentes e que quando as confusões se repetem demais, estamos “nos transformando e evoluindo, deixando algo pra trás” e hoje, depois de mais uma enxurrada necessária na montanha dos espelhos quebrados e dos símbolos falsos, araucárias e mais gralhas, hoje sinto a beleza dessas gotas batendo nos telhados baratos, e se “10% dos escombros eu escondi e nem sei como”, meu mapa do tesouro também teria um ou talvez quatro besouros, treze apóstolos que nunca li, magos e uma porção de vagabundos profetas, sábios sacanas, um pai-herói referência maior, uma mãe-amor conectora de destinos, dois grotescos vovôs deuses endiabrados e outras 69 lindas figuras femininas cheias de segredo e com nomes parecidos. Hoje choveu, choveu outras 1531 gotas de esperanza, do outro professorzinho, choveu gotas do artista sumido das gotas, choveu gostosas gotas de alguma liberdade que insiste em existir em um mundo cego dominado por zeros e uns. Hoje choveu, choveu sotaques e baques e bachs, choveu a gota mais preciosa, a gota do Om maior, a gota do abraço do amigo invisível. Choveu a gota de toda uma existência e que foi feita sob encomenda somente para… VOCÊ!

 

A felicidade fez mais um aniversário. Vamos dançar?

Anúncios
arte, contos, Uncategorized

A Empatia de Mettagozo

pace_metta

A roda girante segue girando e dando voltas e mais voltas, em movimentos poliformes e repetições infinitas, histórias e personagens que se repetem, uns mais legais, outros mais chatos, tais como essas palavras medíocres que saem da cabeça enfervecida pelos ecos que emanam caos e decepção, influenciada por alguma fumaça típica da madrugada. Pequenos desvios de septo, de alguma memória guardada naquela gaveta antiga sem chave. Agora entendo que “fantasmas” você estava falando, Leonard ou essas “memórias que te torturam”, Willie. É preciso ressignificar eu disse no insta, errando no português. É preciso deixar as ondas, boas ou ruins, ressonarem nesse tronco profundo chamado alma. A explosão de ter conhecido o velho Mettagozo foi grande demais e só poderia agradecer a qualquer pachamama que você queira acreditar, por mais um dia maravilhoso, desses para recordar pelos próximos cinquenta anos, na companhia de sorridentes extraterrestres em alguma mesa de poker holográfica.

E se esse papo soa estranho demais, o anti-comandante pede gentilmente para você permanecer na terra segura e livre das maldades e dos milagres de um mar desconhecido, um oceano de possibilidades, desafios e aprendizados. “A história que revelarei agora” aconteceu aqui mesmo, em Curitiba. A mesma “curitiba doida” em caixa baixa como aprendi com você, meu velho amigo Paquito.

2016 “foi um ano ruim”. Estive na fossa composta por jacas de todos os tamanhos, me sucumbi ao diabo e suas boletas que controlam nosso humor e deixam as curvas da vida menos sinuosas; porém um sábio birmanês me trouxe de volta para a realidade maior, a natureza que independe da sua ou da minha opinião, apenas existe, profunda e mais esperta que todos os computadores desse universo, ainda que essas máquinas fossem controladas por bilhões de Hawkings. E foi nesse ano que o amigo enxaqueca encontrou no lixão uma gravura do gênio Mettagozo, em alguma caçamba por aí. Colocamos a obra de arte na sala de casa, e por lá permaneceu por vários meses, decorando um espaço subversivo e pseudo anti-sistema, onde loucos de todas as origens e idades se encontravam, comiam, bebiam, conversavam, riam, transavam e dormiam. Teve gente querendo colorir a obra e sinto que o autor não se importaria tanto caso isso de fato acontecesse, afinal o que está aí é para ser transformado e o artista que não gosta de ver seu trabalho modificado não percebe que toda a vez que repete essa postura ele está se colocando como maior ou mais importante que o pixador ou talvez o próximo Banksy. Ele ou sua obra, não importa. Obrigado meu novo amigo Rodô por não me fazer sentir tão sozinho nessa também. Essa natureza maior que tento explicar jamais entenderia essa mente mentirosa que diz que uma coisa é boa ou não, exatamente como estou fazendo agora.

Explicar o inexplicável cansa, ainda que outro sábio popular siga afirmando que “navegar é preciso”. Sentir é preciso. Viver é preciso e a palavra improviso não deveria existir no dicionário. Jamais algo terá mais precisão ou necessidade que o sentir. Papos intelectualóides necessitam de interrupções, seja de um Mettagozo inventando canções em um ukelele desafinado e com a voz toda fodida, ou de um jovem artista de rua mostrando alguma nova dimensão para uma plateia deslumbrada com a ilusão do poder chamado microfone anos-luz de gente que acha que a relatividade é a grande responsável pela merda do mundo, ou que quando alguém diz que é escritor, você deve questioná-lo: “Que faixa você é, preta, azul ou branca?

Palavras e imagens deveriam ajudar, mas se “a liberdade está logo na esquina”, o que vai adiantar isso se “a verdade está tão distante de si”, diria o coringa de Bob. Repetirei quantas vezes precisar, a verdade está no sentir. O irmão está logo na sua frente, como disse certa vez o motorista carioca, acalmando os impacientes passageiros de um busão rumo ao carnaval dos milhões e das milhares de almas que conseguem sentir o verdadeiro espírito de qualquer festa popular. O mal ou o guru também pode estar em qualquer esquina. Converse com mais mendigos sem os medos do passado e você começará a entender o que tento dizer. E é sempre mais fácil ignorar a sabedoria alheia quando nos apegamos a opiniões cruzadas, lapsos de ira que só fazem o mestre retornar a posição de aprendiz, pela milésima vez. Quando as interpretações errôneas deixarem de existir e as lições acabarem, “mate-me por favor”.

O parceiro de caminhada Mettagozo parece tirar isso de letra, ou como costumo fazer por aqui, tirando ensinamentos espirituais ou “lições de moral” em letras de canções esquecidas. “Quando me espancaram na ditadura e arrancaram meus dentes, sabe o que eu fiz? Sorri, pois sabia que nada daquilo era real.” Homens e muitas mulheres adoram jogar pedras e colocar na fogueira os vagabundos iluminados que lhes mostram outro ponto de vista que não seja baseado em “tíorias”, apenas em percepções sensitivas dessa natureza infinita. Darwin deu apenas o primeiro e sempre gigantesco passo, a competitividade utilizada para justificar as atrocidades do capitalismo já não faz mais sentido e é preciso compreender que somos seres cooperativos. Isso se ainda quisermos nos salvar desse suposto fim anunciado exaustivamente por todos os poros.

Ah Mettagozo…que história eu estava tentando contar mesmo? Sobre o “menino infeliz que não se ilumina”? Quem sabe quando tivermos cajuína em curitiba as pessoas se iluminem mais. Fernando vem dessas bandas, onde o líquido sagrado se faz presente e onde ele tinha uma banda sequestradora de céus, que agora está sendo resgatada em ritmo homeopático. Nesse processo, seu coração vem sofrendo operações pontuais e com a ajuda de seres invisíveis, frequentadores dos rituais tribais de outrora. Porém antes de seguir mais esse causo tenho que retornar ao personagem principal: a gravura encontrada no lixo urbano desse artista bendito de sobrenome e idade sexual.

Havia uma casa charmosinha, sede de eventos culturais e produtos artesanais com valores duvidosos, ainda que essa equação “arte x preço” seja tão abstrata quanto “a vida em seus métodos”. Nessa casa, com flores em todos os cantos, rolava uma reunião de artistas, uns mais conhecidos, outros menos. Mettagozo estava lá, com seus desenhos, seus “poeminhas” e principalmente seu espírito livre. Carla Brasa também estava lá, com sua beleza e suas opiniões. A conversa por vezes travada seguiu até um ponto, um ponto bem próximo do final, em que o interlocutor decidiu abrir o microfone para o público. My friend Fernando levantou a mão e nesse instante percebi que deveria fazer um esforço mínimo para conseguir o tal microfone dourado. Passei o cabo por volta de uma planta bacana e quando cheguei perto de Fer, senti o balanço do barco, mas felizmente ele aceitou a ideia de sair do anonimato.

“Heyyyy…você! Como é o seu nome mesmo?” Enquanto risos amarelos ressonavam no ambiente esterilizado, eu lhe disse baixinho “Mettagozo, mas a galera chama ele de Metta”. “O quê???”, ele titubeou. Fortaleza, eu te amo cada vez mais. Fernando, o cidadão instigado da vez fez a pergunta que não poderia deixar de ser feita. “Estive na ocupação do Iphan no Rio e percebi que havia uma separação nítida entre a classe artística, entre aqueles detentores do poder obtido pelos velhos editais e aqueles marginalizados, os artistas de rua que passam o chapéu e sofrem diariamente a repressão de uma polícia alinhada com os interesses elitistas de sempre. O que acham disso?” O poeta genioso divagou e não respondeu. Brasa sacou a inquietude do cabeludo com pinta de artista e tentou: “tem aquele artista que consegue um edital menor e paga 150 reais para um cara montar seu palco e depois fica grande e pomposo e continua pagando os mesmos 150 golpes.” E pior, seu discurso de classe segue intocável. Go figure.

Fernando, segurando o gibi do super-homem que fiz ele segurar para tirar uma foto dessa grama de instante real concluiu: “O que vocês acham de fazer um próximo encontro somente com artistas de rua?”. O barbudo interlocutor disse que seria um prazer, mas será que ele estava querendo impor condições? “Ao colocarmos condições, o amor evapora”, cantaria Kevin. É essa esperança Fer que eu e Kevin continuamos tendo, ainda que estejamos num “ciclo putrificado cheio de um sebo pastoso e repugnante, onde lambemos uns aos outros num gesto desprezível que chamamos falsamente de ‘empatia’.”

Mas o universo e essa empatia aí parecia estar do lado dos marginais e foi no final dos finais que Letícia sorteou uma gravura do Metta, ironicamente a MESMA que decorou a sala de casa, numa reciclagem pós-tropicalista de araque..e quem ganhou a versão que seria posteriormente autografada? Super-Fernando!!!

 

podcasts

[pace is the essence] Podcast #08: Maconha (Parte 1)

CAPA maconha_640PODCAST PACE IS THE ESSENCE: Uma viagem no tempo e no universo musical. Informação e música de primeira em um clique.

Tema do mês: Maconha. Curiosidades, surpresas e músicas de várias épocas e gêneros. Para a primeira parte do programa, segue a tracklist:

BOB DYLAN – The Man In Me
PINK FLOYD – Speak To Me
OF MONTREAL – Whaith Pinned To The Mist and Other Games
JÚPITER MAÇA – A Marchinha Psicótica de Dr. Doup
CAB CALLOWAY AND HIS ORCHESTRA – Reefer Man
FATS WELLER – Reefer Man
BOB DYLAN – Rainy Day Women No. 12 & 35
RODRIGUEZ – Sugar Man
BOB MARLEY – Riding High
BLACK SABBATH – Sweet Leaf
THE DOORS – I´m Horny I´m Stoned
ERASMO CARLOS – Maria Joana
CURTIS MAYFIELD – Pusherman
NEIL YOUNG – Roll Another Number
PETER TOSH – Legalize It
JOHN HOLT – Police In Helicopter

Escutar Agora!  |   Download Gratuito

Dicas Musicais, pseudojornalismo

Rodriguez está vivo, mas você sabe quem ele é?

rodriguezRodriguez, Rodriguez,… Rodriguez? Ah, aquele cantor folk estadunidense mais moderninho?
Não, estúpido! E por que sempre esse estadunidense aí? São e sempre serão americanos, mesmo que a sua cabecinha não aceite. E aquele cantor folk mais novo de que você fala é o Gonzalez! Rodriguez? Credo, eu lá vou saber? Pensando bem, nem esse Gonzalez aí existe, não sei de onde você tirou essa.

Esse seria o meu diálogo interno há dois ou três dias, até que por uma indicação de meses atrás de um amigo distante, mas constante, e que por obra do acaso ou do destino (se você gostar do bonito), me falou desse filme sobre esse tal de Rodriguez.

Sua história é de fato tão incrível que após o término da película (pra ficar nas palavras bonitas) eu achei que havia sido enganado, meio como o Woody Allen fez tão bem naquele “Poucas e Boas” sobre o segundo melhor guitarrista da história. Mas se naquele caso o filme não passava de um falso documentário, bem feito, mas falso, nesse, a história, por mais impressionante que pudesse parecer, era tão real como boa parte desses protestos espalhados por esse país, cansado de ser enganado.

Elogios à parte, Rodriguez foi um cantor folk americano que lançou dois discos no início dos anos 70. Sem sucesso, a gravadora o demitiu e durante quase trinta anos Rodriguez não quis saber mais da cena musical, indo trabalhar em indústrias de demolição, fazendo trabalho braçal e tudo mais que ninguém com uma suposta sensibilidade artística escolheria fazer.

E durante esses quase trinta anos, Rodriguez viveu na velha casa de sempre, ganhando salários mínimos e vivendo na famosa linha da pobreza, como tantos outros americanos que nós, brasileiros e americanos do sul, insistimos em ignorar, em discursos mofados sobre pobres só existirem em países de terceiro mundo.

No filme, ou documentário sobre a lendária história de Rodriguez, temos um personagem humilde e nesse caso, também pobre, de óculos escuros em tempo integral e com uma aparência indígena, distante dos judeus desafinados de classe média que invadiram e surpreenderam seus contemporâneos, numa “Greenwich Village” no início, meio e final dos tumultuados e criativos anos 60.

O que Rodriguez não sabia era que enquanto ele comia suas marmitas e seus braços ficavam mais duros em alguma fria indústria de Detroit, seus dois únicos discos ganhavam espaço nas rádios sul-africanas, transformando o que deveria ser apenas mais um culto a um artista americano underground, em um sucesso maluco, da magnitude de um Elvis, ainda que limitado pelas linhas geográficas de uma África do Sul, pré-copa do mundo.

As canções de Rodriguez fizeram tanto sucesso por aquelas bandas que até boatos sobre ele (que os sul-africanos só haviam visto na capa de seu disco de estreia) foram aparecendo aos montes: uns diziam que ele havia ateado fogo sobre o próprio corpo durante um de seus shows, outros afirmavam que ele tinha sim cometido suicídio, mas que havia sido com uma bala na cabeça.

O fato é que Rodriguez sempre esteve lá, vivo até os ossos, do outro lado do oceano, trabalhando para comer e sustentar suas duas filhas.

Eis que, por uma dessas filhas, chega a notícia sobre seu sucesso estrondoso no país de Mandela, e Rodriguez, pasmo, custa a acreditar. Convencido a ver com seus próprios olhos sempre escondidos com lentes escuras, Rodriguez sai de seu país natal como um completo desconhecido e chega ao território sul-africano como um rei de algum conto de fadas, limusine na pista de pouso, suítes presidenciais e caviar no camarim. E ainda, citando o gigante Mandela, suas canções tinham até sido alçadas a hinos antiapartheid!

Anos depois, um rapaz sueco o visita diversas vezes em Detroit, onde apesar de toda essa badalação na sua primeira turnê, estádios lotados e mais discos vendidos, Rodriguez continua vivendo em sua velha casa e esquentando sua comida num fogão à lenha improvisado. O sueco convence Rodriguez a autorizar a produção de um documentário, emendando o lançamento do mesmo com uma turnê mundial.

O filme, do qual venho tentando falar aos trancos, chama-se “Seaching For Sugar Man”, ganhou diversos prêmios por aí e tem sido a porta de entrada para esse magnífico cantor e homem chamado Rodriguez, um misto de Dylan, Cat Stevens e Donovan, com letras melancólicas, satíricas, proféticas, políticas, espirituais e todas essas características pertencentes aos grandes compositores populares, sejam eles americanos, brasileiros, suecos ou sul-africanos.

E mesmo após a fama tardia, os discos de ouro e platina, as centenas de entrevistas e aparições em programas televisivos, Rodriguez parece seguir seus princípios e valores, sua fala continua mansa e humilde, sua velha casa simples continua seu lar, o dinheiro extra ele preferiu deixar para a família e os amigos, e claro, os óculos escuros continuam cobrindo seus olhos.

E assim, mais uma história mais sensacional que qualquer ficção é desvendada. Acho até que suas letras, além da associação antiapatheid, também dialogam com essa onda de protestos que segue no país da Copa e das pizzas dos 500 sabores.

Para mais detalhes, assista ao filme, compre ou baixe seus discos e se quiser, comece ouvindo essas duas canções:

https://www.youtube.com/watch?v=qyE9vFGKogs

https://www.youtube.com/watch?v=-qFP-dsl2Z0

Textos Relacionados (naquele lance, gostei desse, talvez goste desses também):

Os Demônios de Daniel Johnston

Descobrindo um Bêbado Talentoso

Tiago Valério e sua Cidade da Ilusão

clipes

Natal Com Dylan

Há três anos atrás, Bob Dylan impressionou novamente o mundo ao lançar uma coletânea natalina. E como parte desse lançamento, rolou esse vídeo em que o velho Dylan confraterniza com velho papai noel em uma festa pra lá de curiosa:

 

Além desse, também foi lançado esse outro para a clássica canção “Little Drummer Boy” – uma incrível animação para emocionar corações com o verdadeiro espírito natalino: