contos, pseudojornalismo

Crônicas de Nácar #10: PAIxões, MIstérios, Mimimis, INterrogações e mais E´s

pace_timetimetime

Sábios ciclones assustam os vergonhosos clones liderados por robôs sem ossos, capazes de adulterar direções políticas no abastado Estado em estado de degradação espiritual. Um Estado que seria bastardo, caso seus pais não fossem revelados em qualquer bar do lado do centro do peito. Haja bebidas, hormônios injetáveis e drogas pesadas para sustentar esses seres opacos, ralos em sentido. Haja música enlatada e martelada nos mercadinhos dos arianos distantes dos Suassunas. Mentindo pra si próprios, quebrando seus pescoços de tanto olhar para seus umbigos, ou pior, para seus espelhinhos pretos capazes de replicar sacanagens e lorotas na velocidade de outro trem bala construído com dinheiro público, superfaturado e escondido por debaixo de seus pelos púbicos. Mas é mais bala que vocês querem, BBB? Bala, boi e bíblia? Boa, bonita e barata? Recatada na sala e safada na cama? Maaaaaaaaama! I don’t want to die! Lamentos do morro sem forro ou fórum privilegiado? Ahhhh! Pare de chiar!

É só isso que ouço falarem por aí: nos supermercados campeões de promoções, nas casas de sucos comandadas por kamikazes, nos super carros transformers atropeladores de seres humanos, e claro, nas bancadas onde velhos babões de narizes brancos aprovam leis a toque de caixa dois ou três, cortam direitos e selam bocas dos educadores com dores seculares provocadas por sobrecargas materiais carentes de mandalas. Enquanto isso, professores gagás que viram seus colegas levando bala em plena praça pública e depois se esquecem desse passado recente e conseguem eleger os mesmos carrascos. But wait!

Na na Nina não, essas linhas não precisam ser tão cinzas assim. Deixemos as anatomias cinzentas para as séries procrastinadoras do viver, do saber e desse presente sem mente chamado ser. Deixemos de lado todo esse vermelho sangue dos jornais, dos rurais e das ocupações periféricas em situações irregulares? Deixemos essa mania dos plurais, de querer falar por um grupo inteiro? Generalizar é bacana? Capitanear é preciso? Arranque logo esse seu siso e dê um riso de uma vez por todas! Liberte esse bozo que existe em você! Seu bigode é falso, mas seu coração permanece ensanguentado. Precisamos soldar algumas ideias juntamente com Mettagozo, a caçula, a bolhuda, a corneteira e a sua parteira? Áudios berrados e compartilhados em salas vazias, bochechas infladas, argolas douradas, por entre fotos chilenas com chinesas texanas de dimensões basqueteiras e cachorras estriquinadas com pulgas e vacinas de câncer de rim inventadas e compartilhadas por gente enrugada inocente, enquanto os gases e as piscinas de Liverpool se enchem do vermelho natalino inventado pela marca multibilionária que ultrapassou o pé chato de Pelé em fama nesse globo onde o aquecimento ficará pra segundo plano?

Esquisitos resquícios de outro ano de infinitas polaridades, passados passados no ferro de passar a velha roupa colorida por esse tempo curador, o mais antigo mestre dos magos nadadores de grandes lagos, monges pansexuais rumo aos novos centros energéticos conectados as imensas cordilheiras de outra América em fase de Redescobrimento. 15 meras “eloquências dialéticas” profanadas pela princesa dos mares e das marés altas e baixinhas como essa pessoinha que começo a traduzir. Brancas palomas nesse céu azul de dezembro dessa nova lua inspiradora de sonhos intranquilos dos ottos e das motos assustadora de ritas. Minutos separam a longa saia preta das minutas que ela irá desfrutar no país dos mateiros.  

Baja la tierra no baixio das bestas e das prolíferas referências, das carências e carícias desse marinheiro só, aprendiz da capoeira angolana, de outra profana dança do baile horizontal e cada vez mais próximo do chão de estrelas, essências misturadas ao pó terrestre humilde e sereno como esse universo pleno que cresce e se contrai como o beijo do pai outrora ausente. Now she is gone, gone with the wind, pro vento hermano, pra longe do rio vermelho de iemanjá e do branco preto com o teto nos joãos brasileiros e ingleses. Ritos e reais mitos, dodecafônicos biotônicos dos já saudosos ivens pioneiros ergonômicos da cidade dos pinhais ou dos pinheiros conhecedores de canciones afro latinas. Somas de sentimentos e de e’s e de tantos ET’s preenchedores de silêncios, agregadores e’s que confundem o cerebelo nada belo do guarda belo que tenta, mas não compreende. Tarantelas autorais dos tatás com patas e barbas rancheiras reprodutoras de fãs ou cavalos baixistas com baterias inchadas e cucas rachadas. Amarantes bebendo amarantos, elefantes africanos comendo amarulas, argentos degustando Clarices, fluxos beatniks, titanics em imersões sem sanções. Rosas, zumbis dos Jorges e das crianças bebedoras de cajuínas: Joinas, Joanas, Julianas e seus alfajores preferidos. Habladurías propositais opostas as maledicências das línguas sicilianas tão ácidas como os limões dos sampaios. Escrever é como desenhar, hay que soltar! O barato é escutar as batidas das baratas de Max, do sax sem pudores passeando pelas cores claras de outra tarde ensolarada.

Seria tudo parte de outra Pasárgada feita por retalhos da bandeira multiversal de outro escritor amador flutuando nas semanas astrais que antecedem os cumpleaños de ciros, posses cheias de tosses ou encuentros familiares rompidos por correntes virtuais? Ora pro nobis, me ajude a lembrar de sempre orar para o tempo parar? Thanks Kinks por acrescentar que o tempo cicatrizará todo esse ódio mal resolvido. Elliott, sua história também foi marcada por question marks?  C ́est fini! Velho Allen, veja bem mais além, tudo ficará bem?

Yes! Yes! Yes! Na “rádia”, no bar ou no mar, eu sei que vou te amar!

 

*** disponível em áudio pelo site da Rádio Cultura de Curitiba ***

contos

Blues e Delírios em Anto Nina

pace_bluesLá estavam eles, novamente no vilarejo charmoso e cheio de histórias pra contar. Antonina, ou a A Menina dos Olhos Rojos como havia sido batizada no ano passado, também estava lá, onipresente e pronta para outro evento blueseiro de proporções internacionais. Os pregadores do bom e velho blues também marcaram presença, de frente para a igreja matriz, convocando todos os anjos e demônios criados por esse estilo nascido nas fazendas de algodão. Escravos negros munidos de um talento nato, sorrateiros lamentos rompendo barreiras geográficas e sociais, e que ecoam até hoje pelos quatro cantos de um planeta em processo desconstrutivo, especialmente em becos populados por corações despedaçados e pulmões esfumaçados. São nesses becos que o blues sobrevive e certamente Antonina possui uma porção deles. Cenário perfeito para a explosão dos choros em forma de solos, protagonizados por guitarras em extinção, sinal dos tempos modernos. Cenário necessário para a construção da quarta edição do festival que precisou ser adiado por conta da greve dos caminhoneiros, sinal dos tempos sombrios permeados por políticos esquizofrênicos e presidentes ilegítimos. A Música, essa eterna companheira, segue pulsando e unindo mentes conflitantes, através dos corpos inquietos que vibram de acordo com o ritmo, ignorando posições políticas e ensinando que a música ou a arte não possui fronteiras. Elas estão no terraço blindado do prédio, enquanto as leis humanas moram centenas de andares abaixo, provavelmente no primeiro piso ainda sem janelas, onde os burocratas também costumam trabalhar e atrapalhar os planos daqueles que buscam a felicidade através do conhecimento interior.  

Lindos recuerdos de um fim de semana pra lá de especial. Nem tudo são flores quando a missão é fazer com que 25 planetas distintos orbitem em torno do mesmo objetivo. É nesse instante que começo a lembrar desses instantes inconstantes extremamente comuns e sempre carregados de significados: tetinhas e tretinhas, socos em monges índios, sumiços wallyanos, viagens marcianas em luas sorridentes, estridentes acordes azuis no festival dos horizontes, doces momentos sem tormentos, movimentos orquestrados por sinais visuais, raios e mais acordes de sol, deliciosos bobós de siri acariciadores de estômagos, vinhos produzidos por abelhas boêmias, jogos da copa das decepções, madrugadas embaladas por canções de jukebox, colchões esparramados na casa dos artistas, contundentes jams na avenida principal, místicas coreografias líquidas, improvisos musicais na oficina mecânica, saudades argentinas da filha finalmente livre, blues das antigas na padaria dos sonhos de nata da nata das bandas de um homem só, desfile de chapéus no restaurante dos sombreiros e dos mangues, titãs afundando como titanics, senhoras embebedadas por cataias sensualizando e bulinando plateias mais sérias, portuguesas sequestradoras de baixistas sentenciados, camarotes culturais de rádios am, irmãos roqueiros apavorando no blues gringo, gigantescos pastéis artesanais, obscuros encontros em fachadas históricas desmoronadas, rio e minas embelezando as brisas responsáveis por abastecer panças famintas, vagões e ornamentos carnavalescos emoldurando comboios emanadores de good grooves, o blues de chicago encontra o funk de Tim Maia, Elmore James Brown no palco principal, pioneiros do blues paranaense em reunion, criaturas do pântano animadoras de tardes ensolaradas, talentosos cabeludos obesos contadores de lorotas, pés vermelhos lançando discos em códigos digitais, paulistas interioranos viajantes do tempo em barracas de cachorro quente, símbolos e mais símbolos, êmbolos surreais que embolam na memória capenga e que agora se esforça para unir essa colcha de retalhos temperada pelo alho frito da frigideira das emoções livres de razões. Rimas dos amores, das dores e das loucuras oriundas desse blues cafetão capaz de penetrar almas opacas carentes de sentido.

E enquanto o mundo desaba diante desses nossos olhos rojos, talvez o melhor a fazer seja beber ao som do blues, assim como o cozinheiro verde havia dito na época em que esse festival permanecia no campo das ideias. Quatro anos se passaram e esse conselho parece ainda mais certo. Let the good times roll.

contos, pseudojornalismo

Eternos Fins de Semana na Cidade do Outono Cinza

pace_murosilusoriosFalsas notícias no feice das aparências, o medo da foice e a perplexidade estampada na face. Nos sonhos sinto cheiro de esperança e sou o tagarela do passado, no presente me emudeço com tanta ladainha e essa ausência de perspectiva no país dos maldosos pais. Pais que mentem, extorquem, desviam e ainda vendem o país para o estrangeiro. Temerosos pais, pais que batem em professores e ainda anseiam por cargos mais altos no congresso disputado por cobras e ratos engravatados. Na cidade do outono ensolarado e ao mesmo tempo mais cinza da história, um vizinho dispara quatro tiros e mata um baixista simplesmente por estar incomodado com o barulho alheio. No espelho preto nas mãos cada vez mais vazias, mensagens apocalípticas se proliferam em grupos familiares, grupos de amigos antigos, grupos de gente que prefere ficar em casa escrevendo ou compartilhando essas mensagens, ao invés de sentar no bar e rir, ou talvez chorar coletivamente, em sinal de empatia. Se for pra ficar em casa, prefiro o caos das rádios alternativas, os poemas em reverb, os verdadeiros e sorrateiros programas da madrugada. E assim, o vinho nacional de 12,90 começa a fazer sentido.

Os anjos da morte dos castelos de Jennifer me acompanham pela pacata caminhada rumo as máquinas do dinheiro. Agradeço pela companhia, afinal, hoje é o dia deles e também o dia de lembrarmos que o latim continua sendo um idioma vivo. Engraçado pensar que a morte faz esse idioma se tornar vivo. A morte não precisa ser necessariamente física. Morremos todos os dias, morremos de amor e morremos de ódio também. Esse mesmo ódio perpetuado por gente com mania de escolher lado: seja no futebol, na igreja ou na política. E aqueles que como eu, preferem o muro, são julgados por ambos os lados. Prefiro acreditar que esse muro é ilusório e está sempre atrelado às infinitas condições, que costumam variar de acordo com a época ou pior, de acordo com as vantagens pessoais vislumbradas por ideologias de araque, compradas no boteco da esquina, cada dia mais obscura.   

É na madrugada que tudo começa a fazer algum sentido. É no silêncio dessa escassez de estímulos e interrupções que as peças parecem se encaixar. Viagens atemporais dão vazão aos verdadeiros temporais mentais, pensamentos desconexos tão rápidos e efêmeros como as piscadas em frente a tela branca formada por milhões de números binários. Os números binários podem ser irrelevantes, mas vivemos em um tempo onde números são tão importantes quanto os próprios seres vivos. Uma ida ao posto ou ao mercado após a greve dos caminhoneiros comprovará essa teoria facilmente. E se as estatísticas são manipuláveis, os orçamentos estão longe de ser. É preciso uma boa dose de otimismo para enxergarmos essa luz no fim do túnel. Nessas horas, a criatividade aponta os caminhos possíveis. O grande problema talvez seja perceber que não estamos sozinhos nesse trem verde e amarelo. Dependemos de decisões coletivas e talvez em algum âmbito mais microscópico, decisões individuais tomadas nas tais urnas anônimas, caso elas de fato ainda possam existir. Só posso esperar que ao menos esse direito, eles não tirem da gente.

E que venham as intervenções, literárias ou alienígenas, obviamente.

contos, podcasts, Uncategorized

Crônicas de Nácar #07: Va Pa I!

pace_vapai

O calendário corre cego, os números, as datas e as fechas latinas de flechas incertas engolem os prazos e as aburridas deadlines, pra depois serem cuspidas e lembradas nas artificiais explosões de mais um fim de ano que se aproxima a passos largos, enquanto reparo nos itálicos caracteres que inspiram velocidade. Logo invadiremos o ar e os Arcaicos Módulos dos revolucionários e perseguidos, dos ratos e moscas que coabitam esse universo holográfico infestado por seres míopes e daltônicos, velhos rostos quadrados capazes de enxergar apenas duas cores e cinco bundas, porém com a incrível capacidade nomeadora de defeitos em série. Defeitos que estão lá fora, bem longe de si. LOL, escreveria algum boboca norte-americano. O colapso emergente mais que necessário carece de espaço em um plano reto visível ilusório e que fazem humanoides despedaçados acreditarem que estão em um patético tribunal, e o que nos resta é defender, acusar, ameaçar e cobrar, cobrar especialmente tudo aquilo que eles jamais deram. “É o juízo final, quero ter olhos pra ver, a maldade desaparecer”, cantaria o rouco avô Nelson, ou o maior acumulador de rugas sinceras que esse país já teve.

“El Uruguayo” está novamente nas linhas brancas e amarelas rumo aos gaúchos pastos e com a missão avermelhada de reunir seus falecidos pais, we’ll miss you man. Gente sincera e amorosa a gente sente falta. A palavra perdeu o sentido no século 21 ou talvez já no terceiro, enquanto essa lauda safada padece de sentido lógico a cada nueva linha. Hoje estamos inundados por caras que prometem e falam abobrinhas empanadas e cheias de tempero, pra depois virarem as costas e você perceber que elas, as abobrinhas, estavam podres e até o tempero era artificial. Sai o bandido e fica o homem e as vezes sai o homem e fica a saudade.

A segunda temporada terminou, o caldo azedou, o motorista já foi pago e agora devolve as tralhas de outro cara estranho que não soube valorizar o ouro que tinha, afinal também estamos infestados por princesas modelos prontas para deixar qualquer barbudo pulando de alegria, ainda que momentaneamente. Ficam infinitas lembranças e agora seu número favorito no letreiro de mais essa irônica crônica, no more Montana e Lousiana. Em paralelo, perdemos outro grande Tom do hemisfério duplamente citado. Ce la vie, as vielas seguem contorcendo os limites da vida real, enquanto os donos desse planetinha azul criam novas distrações para a vida irreal dos pequenos que pensam que são aquilo que tem, e cobiçam aquilo que todavia, no possuem.

Serão as vogais capitulares de outro culo testículo e que agora são substituídas pelo randômico “S”, que fará com que eu compreenda o sentido disso tudo? O “S”, uma letra tão bela e com uma forma tão incrível e perfeita, capaz de se conectar com histórias que se repetem, caminhos tortos que vão e vêm, como as reviravoltas desse sax parkeano eclodindo pelos auriculares, ou como a cachorra Janis transitando no balanço de seu rabo, por entre cômodos multidimensionais. Talvez seja a hora do café, and I better go e parar de repetir trilhas ou cambios de idiomas, entediando motoristas de uberalles, e outros urbenautas tocadores de flautas, ambos futuros ouvintes da rádio blast from the past.

E chega de piadas baratas ou otimismos relâmpagos, bem como a estrofe final do hino existencial do tio Bill, pois como ele, eu também já nadei em águas fluidas, mas isso é metano, contaminante até o osso e por vezes pensamos que não iremos conseguir. Obrigado por cantar mais essa bola em formato representativo de pérola, pois o “conhecimento bloqueia o nosso caminho”, ao mesmo tempo que as experiências e sacações e as quebras de fronteiras nos libertam. Va pa i!

podcasts

Download – Podcast Pace is the Essence