arte, contos, idéias, Uncategorized

Chilenos, Luzes, Viejos e notas Verdes verticais

pace_jodorowskiO tic-tac do relógio biológico dela gelou meu coração operado, especialmente quando senti aquela fria pulseira por debaixo das cobertas. Despertei com o bigode de Dali, ou um mix promocional Mussolini-Pasolini na seção italiana do mercado dos festivais e das atendentes sorridentes trabalhando a paciência de Jó. Escravas de Jó? Sorry baby, mas a solitude é minha mais antiga amiga. Seu relógio era de ouro falso, banhado pelas metas, barganhas e sistemas, típicas desse ocidente acidental incapaz de curar dentes ou problemas verdadeiros. Garotos mimados parados na era medieval ainda que seus novos brinquedos sejam espelhos pretos desconectados com a vida vivida pelo presente presenteado pela simplicidade do sentimento. Little boys brincando com armas e drogas. Crescem e continuam no mesmo joguinho ensinado por padres e abuelos ingleses, alemães ou hollywoodianos. Armas coloridinhas feitas do plástico poluidor de oceanos. Armas feitas em impressoras 3D outra grande invenção usada para fins bestiais. Drogas travestidas de chocolates industriais com o açúcar invertido inimigo do sangue puro diametralmente oposto àquele ariano de outrora. Guerras são tão irreais quanto esses papéis esverdeados que fazem os covardes do poder se sentirem superiores, enquanto suas hemorróidas ardem, seus narizes crescem, suas luvas desaparecem e seus umbigos sentem saudade do tempo em que os cordões ainda os conectavam com o amor puro materno. Um amor infinito, fraternal, esquecido e trocado por carreiras repetidas, carreiras corrompidas pela ilusão monetária que faz filhos e chicas competirem com seus descendentes. Hijos são como pajaritos, precisam voar, cantar, se arriscar e riscar pelo menos por um tempo, a vida em sociedade.  

Claudio Laranjo me lembra dos alemães famosinhos que se curaram indo pra Itália, provavelmente vilarejos centros desse movimento caracólico-slow, onde o desenvolvimento humano, intuitivo e sentimental ainda pulsa, ou como Arnaldo Itunes “o medo de ser” já não assusta tanto e independente da enxurrada de enfermidades alarmadas por aí: “o pulso ainda pulsa”. Na Alemanha, e por favor, inclua o Reino Desunido, os “States”, e todos os países dominados por esses falsos impérios, inclua todos esses Capitais nesse imenso bolo fecal mascarado como desenvolvimento mental: um desenvolvimento competidor, aparente e raivoso,  amplificado em épocas eleitoreiras, vomitado por mentes mentirosas sem rosas, gente robótica, gente invejosa, gente bundona,… “this is chicken town!”, berraria Dylan-Haynes em filmes rompedores de rótulos. Gente presa na história do papai e da mamãe, do vovô Ovo e da vovó Mafalda,  e que jamais se preocuparam em ir atrás de seus sonhos reais, suas profundas existências, sem o famigerado peso cultural, social ou familiar. Olhar para dentro requer coragem? Se comunicar pra fora exige bom senso, princípios básicos, sinceridade consigo mesmo?

A sinceridade do advogado músico que para tirar seu pijaminha, pede o instrumento de trabalho de outro músico: preso, condenado, “acorrentado pés e mãos” ao lado de um poeta negro sexagenário e tratado como bandido alborguetiano por quatro dias, apenas por tocar jazz instrumental às 21h da noite de um sábado em pleno centro histórico de uma capital cultural? A sinceridade da policial feminina de olhos trincados rompendo a cabeça de um homem recém chegado na cidade mais educada e politicamente correta desse canto de mundo? A sinceridade desse mesmo músico que quando oferecido um serviço voluntário prefere pagar uma multa injusta ao estado facho? A sinceridade do “Doutor” X “Hospital” X “Plano de Saúde”? Ganância de rico não acaba? Alegria de pobre dura pouco? Orgulho? Retorno ao passado materialmente pobre? Do Porto ao Porto? De Bar em Bar? Zé Riquinho e Milionário vão te salvar? Separação de classes? Manipulação midiática em pleno feriado dos mil militares? Vampiros do Pó der? Mettagozo, você será meu eterno bozo!

Faz sol lá fora, mas os zombies continuam enfurnados em suas batcavernas recebendo doses cavalares de informações teatrais e mais parciais que as pesquisas das bocas roxas de outra urna vermelha e azul. Um dia ela será violeta, parra, e para ser única e indivisível! 

Cientistas avançam os gigantescos e primeiros passos de Darwin e percebem que a evolução, ao menos em tese e muito antes desses vergonhos humanos existirem, sempre foi cooperativa. O microo e o macroo aos poucos soltam mais esse laçooo.  

“Não há nada mais espiritual que um baile horizontal”, canta o argento Kevin Cohen, outra dica tropicaliente que pode ir além das ralas interpretações. “Estou na terra de Macondo e aqui ninguém tem a razão”, pois é, onde o coração e a humildade afastam pseudo intelectuais de seus pré-julgamentos aburridos a vida ainda é bela, seja em partes da Itália de Benini, Colômbia de Garcia, Chile de Jodô e Naranjo, Alemanha de Jung, Áustria de Reich, Equador dos Lopez, Haiti, Bahia, São Thomé das letras, Superagui off-season, Sua Cidade Natal, ou até mesmo em Coooolritiba!

Nesses recantos, mitos e lendas são seres de carne desossada que sentem o verdadeiro significado das letras que formam essa bela palavra chamada… Empatia.

Antes de opinar, hay que sentir. Para sentir, hay que viver, experienciar, adentrar. João e o Japão dão outra little tip: I…solaaaaaaaaaaation!

“O seu irmão não é só aquele que te dizem que é seu irmão, mas aquele que está na sua frente nesse exato momento”, disse o motorista antes de outra viagem horizontal. “Gentileza gera gentileza”, disse o pichador mais famoso de Sampa.  “O amor cura, ser gentil é uma tarefa diária”, disse o quadro africano na parede. “Jesus don´t cry”, disse Will Cooperador. “Jesus says”, disse a cópia da cópia.

Gracias pelos consejos sem espejos, merci pelos números que guiam, e assim me despeço embarcando no expresso 2222 que parte de “bonsucesso pra depois”. Pra depois de mais essa novela clubística fool te bolística, e please, please me! Podem me chamar de o idiota da montanha, pois como Cohen me lembrou, o segredo da vida pode estar naquela flautinha!

 
Hello Lightness, I come to see you once again.

 

foto ilustrativa: An Evening with Alejandro Jodorowsky | MoMA

idéias, pseudojornalismo, TV, Uncategorized

Data Limite?

pace_xavier

Notícias aterradoras assistidas na máquina vermelha maior do mundo me deixaram perplexo. 2019 seria a “data limite“ divulgada por um documentário de mesmo nome e também sobre outras previsões de Chico Xavier. E como não acreditar em um cara que disse já em 1971 que no futuro encontraríamos água na Lua, petróleo no oceano do Brasil e os órgãos transplantados seriam de plástico – novas descobertas nessa história recente maluca que não pára de se desenrolar em escala exponencial, e que é tão rápida que nem mesmo conseguimos acompanhá-la. Esse lance do primeiro coração de plástico transplantado eu mesmo nem fazia ideia. Chico, diferente das mães Dinás interessadas em fama e dinheiro, foi um homem de poucos recursos que doou praticamente tudo que ganhou e não parecia interessado em aparecer. E quando o fazia, em um popular programa de TV brasileiro, era por motivos extremamente relevantes.

Segundo suas próprias palavras, no dia em que o homem foi à lua, em julho de 1969, teria rolado uma reunião intergaláctica com outros seres do espaço. Esses seres estranhos estariam preocupados com a destruição da Terra e principalmente com o mal uso da energia nuclear. Uma energia que move o universo, mas que o Homem estaria utilizando para a criação de armas de destruição em massa e explosões de proporções catastróficas, não apenas para nosso planeta. De acordo com Chico Xavier, Cristo apareceu nesse encontro e advogou em favor da Terra, pedindo para esses seres esperarem um pouco mais antes de intervirem. Depois de muito debate, foi definido um prazo de 50 anos, ou seja, 2019.

Haveria dois cenários possíveis: no primeiro, seguiríamos explodindo bombas e a própria Terra, cansada da exploração humana, começaria a se autodestruir na forma de terremotos, enchentes, tsnunamis e qualquer outra catástrofe natural que você consiga imaginar. No segundo, finalmente os humanos entrariam numa nova era de paz e de grandes revoluções tecnológicas, graças ao intercâmbio entre os extraterrestres e a gente. Contatos oficiais seriam feitos e pelo jeito, já estaríamos nos preparando pra isso.

Note como isso parece fazer algum sentido – há poucos anos atrás uma série de governos estava divulgando informações sobre OVNIS, incluindo o Brasil, que liberou 100 páginas das 300 que tinha sobre o assunto. Segundo o doc, reuniões entre líderes governamentais estariam sendo feitas para decidir, por exemplo, quem seria o porta-voz oficial da humanidade, tudo escondidinho pra não dar bandeira. A NASA confirmou a possibilidade de vida fora da Terra, afirmando que até 2020 eles conseguiriam provar.

Poderia seguir citando outros pontos a respeito, mas claro que o ideal será assistir o vídeo completo no Youtube (https://www.youtube.com/watch?v=4JxukHvGVzE) e tirar suas próprias conclusões, ainda que essa história possa soar maluca demais para sua cabeça. Jesus, ETs e Espiritismo, tudo conectado, como assim?

Seja como for, é fato que estamos vivendo um momento único em nossa história, onde descobertas científicas e tecnológicas acontecem todos os dias. Enquanto politicamente parecemos estar em algum roteiro rocambolesco das dimensões de um Trump ou Putin, afinal, quem devemos Temer? Por enquanto a resposta aponta para um único culpado – nós mesmos.

contos

Como Me Apaixonei Pelas Olimpíadas

Confesso que antes dessa tal olimpíada começar, meu interesse por esses jogos supostamente importantes para o esporte mundial era mínimo, pra não dizer nulo. Mas com meus 73 anos de idade e com todo esse tempo livre que me foi dado, após longos e cansativos anos de trabalho em uma repartição pública, não me envergonho de dizer que meu amigo maior tem sido a TV. E como é difícil encontrar programas decentes para me informar, ou ao menos me entreter, ligar a TV logo pela manhã e não ter que encarar uma Ana Maria Braga, ou uma Fátima Bernardes, é definitivamente algo bem positivo.

Comecei devagarinho, assistindo aqueles esportes que já me interessaram em algum momento dessa minha longa vida: o bom e velho futebol, o basquete que praticava quando adolescente e até o vôlei, que parece somente ser mesmo interessante durante esses jogos olímpicos. Ok, admito que já encheu um pouco o saco assistir novamente o Bernardinho ou o tal Zé Roberto assumindo ou revezando entre a seleção masculina e a feminina. Mas ainda sim, temos boas equipes, candidatas a medalhas, as poucas que costumamos ganhar nesse evento monstruoso e de proporções gigantescas, visado até por terroristas de plantão.

Meus dias têm sido bem divertidos e aos poucos comecei a flertar com outros esportes, com a agilidade e a desenvoltura dos chineses nas barras paralelas, com a velocidade impressionante dos quenianos nas corridas, com a beleza dos saltos ornamentais propiciada pela câmera ultra lenta da TV, ou ainda com os épicos velejadores lutando contra o vento e as probabilidades, enfim, poderia citar também o vôlei de praia, onde os brasileiros também costumam arrebentar, ou até o tênis de mesa, onde os asiáticos são imbatíveis e talvez só páreos para algum Forrest Gump que possa aparecer por aí, ou a esgrima, com toda sua tecnologia em contrapartida com a tradição desse esporte milenar.

Tudo é muito lindo: ver o suor de todos esses atletas, superando as dificuldades, batendo recordes, dançando na comemoração de alguma medalha.  Também não poderia deixar de falar dos uniformes de algumas atletas, mínimos na quantidade de peças e grandiosos na sensualidade.

Infelizmente daqui a poucos dias tudo será esquecido e a programação da TV voltará ao normal, ou seja, ao tédio mortal, onde bigbrothers e novelas passam a ser o foco do dia.

Mas até lá, seguirei minha pequena grande maratona televisiva, torcendo pra esse país tão querido, seja no boxe feminino, nos esportes ditos mais populares, ou naqueles em que aprendo cada nova regra com cada novo jogo. As olimpíadas salvam qualquer programação de TV e fazem expectadores assíduos como eu, mergulhar nesse universo mágico e poético que os adultos costumam chamar de esporte. Pra mim, continuam sendo uma brincadeira, sadia e gostosa, como tantas outras coisas dessa vida passageira.